Saiba como a Nissan desenvolve seus crossovers

137703_1_5

A cantora norte-americana Mariah Carey pode até não saber, mas tem papel crucial no desenvolvimento de todos crossovers da Nissan. O mesmo vale para um urso marrom e uma seleção de taças e garrafas de vários lugares do mundo.

Líder do mercado de crossovers, a marca japonesa revela pela primeira vez as avaliações extremas para testar seus carros novos, incluindo os modelos X-Trail, Juke e o recordista Qashqai.

A engenharia rigorosa da Nissan tem o objetivo nesses testes de replicar o uso que os clientes farão no dia a dia, inclusive, muitas vezes, de forma árdua. Este rigor assegura aos consumidores a qualidade e a durabilidade de primeira classe da Nissan, que sempre considera as tendências de mercado e as necessidades dos clientes. Desde a concepção do seu primeiro crossover, em 2007, a Nissan conduziu mais de 150 mil testes relacionados a este tipo de modelo.

A dedicação à perfeição dos engenheiros é tanta que eles também decidiram redesenhar o porta-copos da porta frontal do Qashqai quando perceberam que a nova garrafa de uma popular marca de chá verde não caberia, caso a peça não fosse remodelada. Para não arriscar a insatisfação dos clientes, o design foi modificado por um custo de mais de 50 mil euros.

Os mesmos engenheiros e seus ajudantes-robôs também abriram os capôs dos crossovers coletivamente mais de 48 mil vezes e as portas mais de 1,2 milhão de vezes. Pode parecer extremo, mas é necessário antecipar o uso máximo destas partes pelos consumidores durante a vida útil do automóvel.

Os crossovers da Nissan também estabeleceram novos padrões de design interior. Mais de 20 variações de assentos foram avaliadas e testadas em relação a conforto por mais de 300 vezes, com o acabamento sendo testado com chocolate, óleo, batom, gel e café, entre outros itens.

Fonte: Nissan do Brasil

Related posts